quinta-feira, julho 19, 2018

DECLARACIÓN URGENTE POR NICARAGUA

DECLARACIÓN URGENTE POR NICARAGUA
 
17 de julio de 2018
 
 
Por la presente, como intelectuales, activistas sociales y académicos, queremos manifestar nuestro profundo rechazo frente a la gravísima situación de violencia política estatal y violación de los Derechos Humanos que atraviesa Nicaragua, responsabilidad del actual régimen de Ortega-Murillo, lo cual se ha traducido en unos trescientos muertos en los últimos tres meses.

La indignación, el dolor, el sentido de frustración histórica es doble cuando semejante aberración política es producto de líderes y gobiernos que se dicen de izquierda. ¡Qué puede doler más que la ironía de un líder que se dice revolucionario, emulando las prácticas criminales de aquel dictador contra el que se supo levantar! Y esa indignación se hace más intensa aún cuando este panorama de violencia política estatal  es completado con el silencio cómplice de líderes políticos y referentes intelectuales (auto)proclamados de izquierda. La connivencia de cierto establishment intelectual -una izquierda oficialista que suele arrogarse la representación exclusiva de la ‘izquierda’-, ha mutado al calor del poder gubernamental en un sucedáneo del más desbocado cinismo.

Denunciar esta situación tan dolorosa como inaceptable, alzar la voz contra los atropellos a las más elementales libertades y derechos que el actual gobierno nicaragüense viene realizando, no es sólo un deber de solidaridad humanitaria. Es también un acto y un llamado colectivo a defender la Memoria revolucionaria; a procurar evitar la consumación de esta degeneración política en curso.

No hay peor latrocinio que la defraudación política de la esperanza de los pueblos.

No hay peor saqueo que aquel que va dirigido a depredar las energías rebeldes por un mundo justo.
No hay peor imperialismo que el colonialismo interno que se torna violencia opresiva revestido con retórica anti-imperial.

Todo eso está aconteciendo en Nicaragua. La Tierra que fuera símbolo fértil de la esperanza emancipatoria a fines de los ’70, se ha convertido en un campo más de autoritarismo.

La memoria mancillada de una de las revoluciones más nobles y esperanzadoras de Nuestra América, como lo fue y sigue siendo Sandino; la memoria de luchas anti-capitalistas de un pueblo sufrido pero valiente, ahora pisoteada para (intentar) encubrir la típica violencia ordinaria de un régimen dictatorial más, de esos que sobran y se repiten en nuestra historia. El otrora líder revolucionario, honrado por la confianza de su pueblo, hoy convertido en dictador, ciego de poder y con sus manos manchadas de sangre joven. Tal, el paisaje violentamente amargo de nuestra querida Nicaragua.

Alzamos nuestra voz para condenar públicamente la dictadura en la que se ha convertido el gobierno de Ortega-Murillo. Expresamos nuestra solidaridad para con el pueblo y la juventud hoy, una vez más, levantados en resistencia. Para apoyar y acompañar sus exigencias de diálogo y de paz, de poner fin a un gobierno ilegítimo y criminal que hoy usurpa la memoria sandinista. Lo hacemos con la convicción de que lo se trata no es sólo “salvar el honor” del pasado, sino sobre todo, de rescatar y cuidar las semillas emancipatorias del futuro, que hoy se han puesto en riesgo.
               
Primeras Firmas
Alberto Acosta (economista, Ecuador), 
Maristella Svampa (socióloga y escritora, Argentina), 
Raúl Zibechi (ensayista y escritor, Uruguay), 
Horacio Machado Araoz (politólogo, Argentina), 
Hugo Blanco (activista, director de “Lucha indígena”, Perú), 
Joan Martinez Alier (Revista Ecología política, España),
Pierre Salama (economista, Francia),
Raphael Hoetmer (historiador, Perú), 
Manfred Max-Neef (Universidad Austral de Chile), 
Yaku Pérez Guartambel (presidente de la Confederación de los Pueblos Kichwas del Ecuador - ECUARUNARI y de Coordinadora Andina de Organizaciones Indìgenas- CAOI), 
Decio Machado (sociólogo, periodista español radicado en Ecuador), 
Pablo Solon (Fund. Solon, Bolivia),
Roberto Gargarella (abogado, constitucionalista, Argentina), 
Massimo Modonesi (Unam, México),
Edgardo Lander (sociólogo, Venezuela), 
Arturo Escobar (antropólogo, ambientalista, Colombia/USA), 
Enrique Leff (filósofo, ambientalista, México), 
Pierre Beaudet (Profesor Cs Sociales, Quebec, Canada), 
Boaventura de Sousa Santos (abogado, sociólogo, Portugal),
Gina Vargas Valente (socióloga, feminista, Perú), 
Horacio Tarcus (historiador, Argentina), 
Juanca Giles Macedo (Educador Popular, Perú), 
Beatriz Sarlo (ensayista, Argentina), 
Paulina Garzón (activista, Ecuador), 
Carlos Antonio Martín Soria Dall'Orso (abogado, docente y activista ambiental, Perú),
Reinhold Sohns (economista, Alemania),
Mateo Martínez Abarca (filosofo, Secretario de Participación Ciudadana y Control social, Ecuador), 
Manuela Lavinas Picq, (profesora, Universidad San Francisco de Quito, Ecuador), 
Ramiro Avila Santamaría (abogado, Ecuador), 
Pedro Machado Orellana (Ecuador); 
Juan Cuvi (Fundación Donun, prof. universitario, Ecuador), 
Víctor M. Toledo (UNAM, México), 
Enrique Viale (abogado ambientalista, Argentina), 
Boris Marañon (UNAM-México), 
Elizabeth Peredo (psicóloga social, Bolivia), 
Carlos de la Torre (sociólogo, Ecuador), 
Carlos Zorrilla (Intag, Ecuador), 
Carolina Ortiz Fernández (UMSM-Perú), 
Carlos Castro Riera (presidente del Colegio de Abogados del Azuay,-Ecuador), 
Santiago Arconada Rodríguez (activista del agua, Venezuela), 
Santiago Cahuasquí Cevallos (antropólogo, abogado, Ecuador), 
María Fernanda López (geógrafa, Ecuador), 
Pablo Ospina (historiador, Ecuador), 
Gerhard Dilger (periodista, Brasil), 
Danilo Quijano (Perú), 
Ezequiel Adamovsky (historiador, Argentina), 
Hernán Rivadeneira J. (presidente de la Rama Ecuatoriana de la Asociación Americana de Juristas), 
Pablo Alabarces (profesor e investigador, Argentina), 
Martín Bergel (historiador, Argentina), 
Piedad Vásquez  (ex-capacitadora-técnica voluntaria en la Campaña de Alfabetización Augusto Cesar Sandino -Ex-Directora y Fundadora del Aula de Derechos Humanos Universidad de Cuenca, Ecuador), 
Alberto Chirif (antropólogo, Perú), 
Andrés Cabanas, (periodista y escritor, Guatemala), 
Jürgen Schuldt (economista, Perú), 
Ricardo Napurí (militante socialista, Argentina), 
Nora Ciapponi, (militante socialista, Argentina), 
Arturo Villanueva Imaña (sociólogo, Bolivia), 
Antonio Elizalde Hevia (sociólogo, director fundador de "Polis, Revista Latinoamericana, Chile), 
Elsie Monge (defensora de derechos humanos, Ecuador) , 
Carmen Diana Deere (Universidad de Florida, Estados Unidos). 
Fernando Muñoz-Miño (historiador, integrante de El Colectivo, Ecuador), 
Nancy Esoasandin (maestra y politóloga, Uruguay), 
Francisco Javier Velasco (antropólogo y ecologista, Venezuela)
Jaime Coronado del Valle (Sociólogo, Perú), 
Roberto Espinoza (sociólogo, Perú), 
Fernando Hugo Azcurra (economista, Argentina), 
Sergio Nicanoff (historiador y docente UBA, Argentina), 
Aldo Casas (activista, revista Herramienta, Argentina, 
Juan Manuel Crespo (cientista social y activista, Ecuador)
Cecilia Chérrez (ecologista, Ecuador)
Carlos Arcos Cabrera (escritor, Ecuador), 
José Luis Coraggio (economista, Argentina), 
Rubén Lo Vuolo (economista, argentina - Ciepp), 
Walter Actis (sociólogo, activista ecologista, España),  
Guillermo Almeyra, periodista y escritor (Argentina-México), 
Juan Pablo Casiello (docente - secretario gremial de Amsafe Rosario, Congresal de Ctera, Argentina), 
Gabriela Wyczykier, (UNGS-CONICET, Argentina), 
Alberto Wiñazky (Economista-Argentina), 
Hermann Klosius (Presidente de la Solidaridad con Guatemala de Austria),  
Catherine Walsh (intelectual militante, Ecuador), 
Carlos Walter Porto-Gonçalves (geógrafo. Brasil), 
Jaime Pastor (editor de la revista Viento Sur, España), 
Koldo Unceta (Universidad País Vasco, España), 
Maxime Combes (economista, Francia), 
Olmedo Beluche (profesor de Sociología de la Universidad de Panamá), 
Juan Wahren (Sociólogo, UBA/CONICET, Argentina), 
Gustavo Soto Santiesteban (escritor y activista, Bolivia), 
Pedro Morazán (economista, Honduras / Alemania), 
Danilo Assis Clímaco (latinoamericanista, Brasil), 
José Angel Quintero Weir (Wainjirawa-Zulia-Venezuela), 
Miriam Lang (socióloga, Alemania / Ecuador)

segunda-feira, junho 11, 2018

Lançamento do Comitê Internacional em Defesa da Libertação de Lula

COMITÊ INTERNACIONAL LULA LIVRE EM LISBOA
O MANIFESTO DE CRIAÇÃO DO COMITÊ INTERNACIONAL EM DEFESA DA LIBERTAÇÃO DE LULA - LISBOA

A prisão do ex-presidente Lula corrobora e aprofunda o golpe parlamentar-jurídico-midiático ocorrido no Brasil em 2016 contra a presidenta eleita Dilma Rousseff. Após a condução parcial do processo jurídico em que Lula fora réu, o qual resultou em sua condenação em primeira e segunda instâncias na Justiça Federal brasileira, o despacho que determinou sua prisão (publicado menos de 24h depois da negativa pelo Supremo Tribunal Federal ao habeas corpus impetrado pelo ex-presidente) causou comoção nacional por consolidar a agenda de utilização ideológica das instituições do Estado em benefício de uma minoria ilegítima que atualmente desgoverna o Brasil. 

O juiz Sérgio Moro que conduziu o processo contra Lula apareceu em inúmeras ocasiões a convite e ao lado de opositores políticos do ex-presidente. Informação esta que por si só, em qualquer país do mundo, já atestaria a ausência de imparcialidade do Poder Judiciário. O efeito direto de tais ações refletem-se na insegurança jurídica e na descredibilidade das instituições democráticas do país. Não há como acreditar na imparcialidade de um juiz que viaja para Portugal, Estados Unidos e outros países, vangloriando-se de seus “feitos” e recebendo prêmios de entidades comprometidas politicamente com interesses mercadológicos e imperialistas.

Na condenação do ex-presidente Lula não existem provas factuais. Existem as famosas “delações premiadas” que reduzem drasticamente as penas dos crimes cometidos por grandes empresários, uma vez que citam ilações sobre “suposto” comprometimento de Lula, o que claramente visa atender a interesses de criminalização da atividade política de esquerda. Diferente de outros políticos acusados, sobre os quais há evidência inequívoca de corrupção (contas bancárias no exterior, enriquecimento ilícito, malas de dinheiro), o processo de Lula foi marcado pelo consórcio do Ministério Público e da Justiça Federal para criar uma espécie de ficção probatória, assentada em powerpoints e argumentos difusos sem correspondência material com a realidade.

Para além do caráter simbólico que a prisão de Lula exerce sobre a opinião pública, o cerceamento de sua liberdade impossibilita a agenda de comunicação de um dos maiores líderes políticos do país com a população, de modo a tentar enfraquecer sua vitória nas eleições gerais em outubro de 2018. Tanto a condenação quanto a prisão do ex-presidente são estratégias para inviabilizar a sua candidatura e sua campanha para as eleições gerais de 2018, das quais todas as pesquisas de intenção de voto até agora realizadas indicam a vitória do petista com larga vantagem.

Apoiar a liberdade de Lula é afirmar o compromisso com o pacto democrático e com a soberania popular da qual deve emanar todo o poder político, É um ato de resistência contra a juristocracia, contra a parcialidade midiática e contra a influência dos oligopólios econômicos nas decisões políticas do Brasil.

É por isso que hoje a mobilização internacional em solidariedade a Lula é tão importante: para denunciar a violação de direitos que ocorre sucessivamente no Brasil desde a assunção do governo ilegítimo de Michel Temer; para demonstrar a vigilância que as organizações internacionais dedicam à situação alarmante pela qual atravessa o país; para barrar a manutenção do Estado de Exceção em território brasileiro.

Portanto, enquanto brasileiros, enquanto imigrantes, enquanto portugueses, enquanto democratas, enquanto humanos, nós gritaremos:

Lula Livre!
Organização: 
Núcleo do PT Lisboa
Coletivo Andorinha - Frente Democrática Brasileira de Lisboa

segunda-feira, abril 09, 2018

Apelo à solidariedade internacional com o povo brasileiro

Nós, organizações que participamos do processo de facilitação do Fórum Social Mundial 2018, realizado de 13 a 17 de março, em Salvador, testemunhamos e participamos do encontro de 80 mil vozes, vindas de enorme diversidade das lutas sociais de todo o mundo, para afirmar  sua capacidade de enfrentar e mudar  realidades opressoras. Resistir é criar, Resistir é transformar foi o chamado do FSM 2018.

O Brasil, sede da edição 2018 e berço do Fórum Social Mundial, tão profundamente conectado às lutas por democracia no continente, vive hoje o momento mais grave de ataque aos anseios democráticos desde o golpe perpetrado através de um processo de impeachment sem crime de responsabilidade contra a presidenta Dilma Rousseff.

Neste momento, após a decretação de prisão do ex-presidente Lula, em um claro posicionamento político dos tribunais, as vozes que clamam por democracia se vêem impelidas à resistência mais dramática, contra o abuso das instituições que deveriam promover Justiça e não justiciamento de lideranças populares.
Mídias e generais chantageiam a mais Alta Corte para obter resultado anticonstitucional, que não expressa a convicção do colegiado, além de irromper a cena para  propagação de temores que só tiveram igual dimensão em tempos de recente ditadura.

As organizações facilitadoras do FSM 2018, abaixo assinadas, conclamam a todas as organizações, brasileiras e internacionais participantes do FSM e à toda sociedade civil mundial, seus movimentos e organizações de luta, a se posicionarem em denúncia clara contra o golpe de estado que agora busca se consumar com a prisão do ex-presidente Lula.

Este momento dramático vivido no Brasil  exige a união de todos(as que lutam por um mundo mais justo e democrático.

Conclamamos ao apoio e solidariedade internacional com os(as) militantes políticos, partidários, sindicais, sociais e também populares sem qualquer filiação, que se levantam em todo país, em especial em São Bernardo do Campo, em posição de resistência a este golpe de morte que está sendo desferido contra o povo brasileiro.

Resistir é criar
Resistir é transformar

Brasil, 05 de abril de 2018

Organizações do Grupo Facilitador do FSM 2018
Vida Brasil
Abong
CUT-Brasil
CTB
Unisol
Filhos do Mundo
TV Kirimurê
Conem
Rede Ciranda de Comunicação Compartilhada
Unegro
UBM
Rede Mulher e Mídia
UNE
CEN
Cebrapaz
Cáritas Brasileira
Clacso
Conam
Conselho de Entidades Sócio Ambientalista da Bahia (COESA)
Fórum Nacional de Democratização da Comunicação (FNDC)
Fórum Baiano de Economia Solidária (FBES)
Fórum Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional de Povos Tradicionais de Matriz Africana (Fonsanpotma)
Geledés
Instituto Paulo Freire /CEAAL
Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH)
Mulheres Negras da Bahia (representantes do Fórum Nacional e da  Articulação de Mulheres Negras da Bahia)
Instituto Àwúre Incentivo Cultural Afro Brasileiro

domingo, abril 08, 2018

Boaventura Sousa Santos: mensagem pessoal a Lula da Silva

Querido Presidente Lula,

Que magia é a sua para ser hoje o garante da democracia brasileira, o símbolo de esperança para milhões de brasileiros que gritam o seu nome por todo o país e em muitas cidades estrangeiras? Que magia é essa para com tanta coragem e no meio de tanto sofrimento pessoal  dar essa extraordinária  lição de dignidade e de humanidade? A resposta é bem fácil: a sua simplicidade, querido Presidente, é tão grande que os seus algozes subestimaram a grandeza que ela transporta. Já eram pequenos agora são minúsculos e assim ficarão para a história, a história em que o Senhor já brilha e brilhará.

Um abraço comovido e muito amigo.

Boaventura de Sousa Santos

Coimbra, Portugal, 6 de Abril de 2018

sábado, março 17, 2018

Nota MMM Brasil - Marielle Franco

Por nossas mortas, nenhum minuto de silêncio, mas toda uma vida de luta!

A Marcha Mundial das Mulheres manifesta seu pesar e profunda indignação com o assassinato de Marielle Franco, militante feminista e vereadora do PSOL – Partido Socialismo e Liberdade, na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Ela foi morta a tiros dentro do seu carro na quarta-feira, 14 de março. Exigimos a apuração do crime para que seu assassinato não fique impune e nos solidarizamos com as companheiras e companheiros do PSOL, com a família e amigos de Marielle neste momento de dor.

Marielle, mulher negra e oriunda da favela da Maré, foi uma militante de extrema importância para o movimento feminista do estado do Rio de Janeiro. Pautou a construção de políticas públicas para as mulheres na cidade – com destaque para o enfrentamento à violência e para a defesa dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres. Recentemente foi nomeada relatora da comissão da Câmara Municipal responsável por acompanhar a intervenção militar no Rio de Janeiro.

Fortes indícios apontam que o assassinato de Marielle foi uma execução política motivada pelas graves denúncias que a vereadora vem fazendo sobre a barbárie implementada pela Polícia Militar nas favelas do Rio de Janeiro e, mais recentemente, na favela de Acari no domingo, 11 de março.

Somamos nossa voz às de todas e todos aqueles que denunciam o assassinato de Marielle como a primeira execução política da Intervenção Militar no Estado do Rio de Janeiro. Trata-se de um ato criminoso que busca nos silenciar. Denunciamos que o Brasil está sob um Estado de Exceção em que forças fascistas agem sem qualquer limite e avançam sobre a nossa sociedade. 

A execução de Marielle é uma tentativa de intimidar todas e todos que lutam contra a violência do Estado e contra a desigualdade. Essa violência foi visível também nesse mesmo dia na violenta repressão às professoras e servidores públicos em São Paulo. Eles manifestavam sua oposição ao projeto de lei que visa reduzir o salário de servidores para compensar o suposto déficit previdenciário na cidade. 

Seguiremos reforçando a luta expressa nos atos massivos ocorridos no 8 de março: exigindo democracia pela vida das mulheres. Levantamos nossa voz para dizer que não vão nos parar, não arredaremos o pé da construção de uma sociedade justa e igualitária para as mulheres e para todo o povo brasileiro.

A MMM em todo o mundo se soma às exigências de apuração do crime e às mobilizações frente as autoridades responsáveis por essa investigação.

Seguiremos em marcha até que todas sejamos livres!

Marcha Mundial das Mulheres Brasil (15/03/2018)

quarta-feira, fevereiro 14, 2018

Boletim do FSM 2018



Organizações do FSM realizam em Porto Alegre Dia de Luta anti-Davos e por democracia
Porto Alegre reuniu movimentos e lideranças sociais em oposição ao Fórum Econômico Mundial de Davos, e contra o processo de golpe no Brasil, agora com julgamento apressado para tirar Lula da disputa eleitoral. Ato-debate  do FSM contou com representantes do MST, MTST, UNE e parlamentares.
Leia mais...

Cúpula dos Povos "Fora OMC" chama FSM 2018 
A Cúpula dos Povos "Fora OMC", realizada em Buenos Aires, paralelamente ao encontro da Organização Mundial do Comércio (OMC), terminou nesta quarta-feira (13), com a Declaração Final da Cúpula contra os acordos de livre comércio  e convocando a participação dos movimentos sociais para o FSM 2018.
Leia mais...


A principal atividade unitária das mulheres no Fórum Social Mundial 2018 (FSM 2018), em Salvador, a Assembleia Mundial das Mulheres será realizada na manhã de 16 de março e deverá ser atividade exclusiva da programação nesse turno.
Leia mais...


Inscrições para atividades no FSM 2018 vão até dia 20 
As inscrições para o Fórum Social Mundial 2018 (FSM 2018) estão abertas no site www.fsm2018.org. Interessados(as) podem se inscrever nas modalidades: Participante, Comitê e Grupo de Trabalho, Entidade, Atividades, Inscrições Solidárias e Casos Especiais. O prazo para as inscrições vai até o dia 20 de fevereiro de 2018, com exceção para as inscrições de participantes e de organizações que podem ser feitas online, até o dia 10 de março, e no local durante o evento.
Leia mais...


Acampamento da Juventude do FSM pode receber mais de seis mil pessoas
Mais do que um alojamento, um território de extensão para debates e discussões políticas do Fórum Social Mundial (FSM2018), o Acampamento Intercontinental da Juventude (AIJ), nesta edição, ocupará o Parque de Exposições Agropecuárias de Salvador, de 11 a 18 de março, com capacidade para receber mais de seis mil jovens.
Leia mais...


FSM 2018 abre inscrições para Feira de Economia Popular e Solidária
Empreendimentos que se baseiam nos princípios e práticas da economia solidária, interessados em participar do FSM, podem se inscrever para o processo seletivo para ocupação dos espaços compartilhados de comercialização de produtos. As inscrições devem ser feitas até dia 20/02/2018, exclusivamente pelo site do FSM.
Leia mais...


Moradores(as) de Salvador podem se candidatar ao voluntariado
Quem já vive ou estará na cidade para o FSM 2018, com interesse em dispor de 6 horas diárias voluntárias (sem remuneração) de 13 a 17 de março, deve preencher o formulário e aguardar comunicado. Haverá seleção e treinamento.
Preencha o formulário para voluntáriado


domingo, fevereiro 04, 2018

Carta Aberta convoca Fórum Social Mundial 2018 em Salvador

O Coletivo Brasileiro do FSM lançou, sexta-feira (18), em São Paulo, uma Carta Aberta para convocar as pessoas, organizações, movimentos sociais, redes e plataformas de movimentos do Brasil, da América Latina e do Mundo para entrarem na construção da próxima edição mundial, que será realizada em Salvador, Bahia, de 13 a 17 de março de 2018.

A proposta desse fórum, em meio a tantos retrocessos, perda de direitos, garantias democráticas e liberdades pelo mundo, é pensar saídas comuns para a humanidade, numa ótica solidária, democrática, de respeito às diversidades, para enfrentar as causas das várias formas de violência, desigualdades sociais e regionais.

A Carta Aberta enfatiza que no Brasil e na Bahia, em particular, a resistência tem se ampliado nos últimos meses, buscando fazer frente aos ataques conservadores. O campo democrático e popular tem avaliado suas estratégias no último período histórico, os erros, os acertos e as que são necessárias agora. Por isso, uma edição do FSM em Salvador será uma oportunidade importante de encontro das várias experiências de resistência e de propostas para enfrentar os pensamentos autoritários que tomam corpo no Brasil e no Mundo.

O lema do FSM 2018 é «Resistir é Criar, Resistir é Transformar» apontando para a necessidade de alternativas para um outro mundo possível.

Os sistemas que dominam o mundo, até agora, não deram certo para os povos nem para o planeta. Por isso o Conselho Internacional do FSM e o Comitê Facilitador no Brasil CONVOCAM a todos e todas a se somarem à construção do Fórum Social Mundial 2018:

- De 13 a 17 de março de 2018;

- Em Salvador, na Bahia (Brasil).

Adesões podem ser encaminhadas ao email forumsocialmundial@fsm2018.org ou pelo próprio site. Coloque o título: Adesão à convocatória do FSM. E informe seu nome e de sua organização. Baixe aqui a o documento a carta: https://goo.gl/sJmFwr

Informação: info@fsm2018.org

segunda-feira, janeiro 22, 2018

ALERTA, capturan al compañero Edwin Espinal por participar en protestas contra la dictadura

Esta noche [dia 19], mientras se conducía hacia su casa fue capturado en el Bulevar Fuerzas Armadas de Tegucigalpa el compañero Edwin Espinal por miembros de la policía por su participación en las manifestaciones de días anteriores en protesta por la imposición del fraude y la dictadura de Juan Orlando Hernández.

Edwin Espinal es un reconocido compañero en lucha contra el régimen dictatorial impuesto desde el golpe de Estado de 2009 en Honduras, su captura obedece a las órdenes del dictadorzuelo JOH de reprimir, estigmatizar y criminalizar la digna protesta del pueblo que se opone a la imposición de la violencia y el entreguismo.

La captura de Edwin se produce días después de haber sido víctima de una campaña de estigmatización en las redes sociales, tal como ha sucedido con los compañeros Martín Fernández y Víctor Fernández del MADJ, así como el Padre Melo de Radio Progreso entre una larga lista de compañeros y compañeras luchadoras en contra del régimen.

Las acciones del gobierno saliente de JOH buscan producir miedo y consternación en el pueblo movilizado, como lo ha demostrado con las burdas demostraciones de su policía militar y las declaraciones ilegales de FUSINA, tratando de impedir el derecho fundamental a la protesta.

Sin embargo, es clara la fuerza con la que hemos denunciado como pueblo hondureño la ilegalidad e ilegitimidad de JOH y estamos seguros que no habrá descanso hasta ver su salida.
Mientras JOH recibe por parte de su espurio tribunal electoral el certificado de la ilegal victoria, se captura y criminaliza a compatriotas que luchan por la verdad y la dignidad.

Contra el pueblo mano de hierro, pero para los intereses extranjeros el más amplio arrodillamiento.
El COPINH exige la liberación inmediata de Edwin Espinal y responsabiliza de su seguridad al Estado hondureño.

Llamamos a la comunidad nacional e internacional a denunciar estos hechos de criminalización que se aúnan a la serie de asesinatos, agresiones, campañas de estigmatización y represión brutal por parte del Estado contra el pueblo movilizado.

El COPINH llama a profundizar la movilización nacional en contra del fraude y la dictadura.
A mayor represión, más lucha y organización.

Dado a los 19 días del mes de enero de 2018.

¡Con la fuerza ancestral de Berta, Lempira, Mota y Etempica se levantan nuestras voces llenas de vida, justicia, dignidad, libertad y paz!


--
BERTA VIVE, COPINH SIGUE
#FueraDESA #BertaVive #COPINHsigue
#justiciaparaberta #SoyCOPINH
#bertavivecopinhsigue

escuchenos en vivo:
http://a.stream.mayfirst.org:8000/guarajambala.mp3

web:  copinh.org
web-mapa: https://bertavivecopinhsigue.copinh.org/
blog:     copinhonduras.blogspot.com
blog en ingles: http://copinhenglish.blogspot.com/
Utopia:         https://utopiacopinhblog.wordpress.com/
fb:     Copinh Intibucá
twitter: @COPINHHONDURAS
YOU TUBE: Comunicación COPINH

______________________________

terça-feira, janeiro 16, 2018

Chamada Forum Mundial Ciência e Democracia


Salvador da Bahia, 13-17 Março de 2018

Chamada para participações no Fórum Mundial de Ciência e Democracia, no marco do Fórum Social Mundial, Salvador, Bahia, 13 a 17 de Março de 2018 – Prorrogação de prazo para 28 de janeiro de 2018

Estimadxs colegas,

Desde o comitê executivo do V Fórum Mundial de Ciência e Democracia (FMCD), comunicamos que temos recebido propostas de atividades, eixos temáticos e outras sugestões para o nosso evento. Com o objetivo de alcançar uma maior difusão em todos os continentes, decidimos estender a chamada para contribuições até a data de 28 de Janeiro de 2018.

Recordamos que todas as atividades do FMCD são autogestionadas, isto é, esta organização não dispõe de fundos para o custeio de passagens nem estadias. Por isso solicitamos àquelxs que queiram e possam participar que nos confirmem se poderão fazê-lo presencialmente ou via internet (Skype, streaming, videoconferência, etc., segundo a disponibilidade)

Eixos temáticos:

Como um fórum democrático comprometido com a luta contra a ciência capitalista, não há uma agenda fechada para o debate, mas há assuntos que podem estruturar alguns eixos de discussão, como por exemplo:

- Ciência e tecnologia como bem comum

- descolonização da universidade e da pesquisa científica

- avaliação e governança de tecnologias emergentes

- participação pública em ciência e tecnologia

- feminismo, ciência e tecnologia

- ciência e tecnologia para o desenvolvimento social

- promoção da pesquisa baseada na comunidade

- criminalização de cientistas comprometidos com lutas

- pesquisa para quem ou para quê?

- políticas públicas de ciência e tecnologia

- desafios de mudanças climáticas, pobreza e conflito armado: alternativas às políticas de pesquisa atuais.

Pedimos as/aos colegas interessadas/os em colaborar/participar que apresentem sugestões de atividades, como mesas-redondas, workshops ou palestras, relacionadas com um ou mais dos temas destacados acima, ou com um tema que julgar relevante e que não esteja contemplado acima.

Local, datas e horários:

O Fórum Social Mundial será realizado em Salvador, entre os dias 13 e 17 de Março de 2018 na Universidade Federal da Bahia. O FMCD sera realizado durante estes dias, com as datas exatas a serem definidas com o comitê organizador local do Fórum Social Mundial.

Em relação aos horários, serão duas jornadas completes, divididas em módulos de 4 horas, nos turnos da manhã e tarde. Cada atividade deverá durar 2 horas (incluindo o desenvolvimento da atividade e a elaboração de um breve relatório de síntese). As últimas 2 horas serão reservadas para uma sessão plenária geral, na qual deverá ser elaborada a declaração do FMCD. Assim, teremos 7 sessões de atividades e 1 sessão plenária.

Contactos:

As adesões, consultas, contribuições e sugestões podem ser enviadas para o seguinte endereço de email: fmcd208@gmail.com

Facebook: https://www.facebook.com/fmsd2018/

http://www.fmsd-wfsd.org/





quinta-feira, novembro 16, 2017

Repúdio das dívidas soberanas: uma cronologia

Desde o início do século XIX, numerosos Estados perderam a sua autonomia, da América Latina à Tunísia, Egipto, Império Otomano, sem esquecer a Grécia. A dívida foi utilizada como uma arma de dominação e de espoliação.
 
Contrariamente à narração dominante, os países da periferia endividados não são responsáveis pelas crises das dívidas soberanas, que na maioria das vezes têm origem nos países capitalistas mais poderosos e se transformam em crises de grande escala, com impacto nos países periféricos. Não são as despesas públicas excessivas mas sim as condições impostas pelos credores que provocam a acumulação de dívidas insustentáveis. As crises da dívida e as suas consequências são geridas em proveito dos grandes bancos e dos governos das grandes potências, que os apoiam. As classes dominantes dos países endividados são cúmplices.
 
Esta ditadura da dívida não é inelutável. No decurso dos dois últimos séculos, vários países repudiaram a sua dívida com sucesso. Éric Toussaint passa em revista os repúdios realizados pelo México, EUA, Cuba, Costa Rica e Rússia Soviética.
 
Esta cronologia cativante, apresentada sob a forma duma linha do tempo ilustrada, dá-nos pontos de referência indispensáveis para compreendermos a mecânica implacável da dívida e a evolução do mundo capitalista ao longo dos dois últimos séculos.
 
Para melhor compreender esta linha do tempo, é recomendável ler o livro Le Système dette (ed. Les Liens qui Libèrent).

--
Eric Toussaint
www.cadtm.org
Nouvelle adresse CADTM international, 35 rue Fabry
4000 Liège
Belgique

quarta-feira, novembro 01, 2017

ATTAC Marrocos necessita da sua solidariedade

Hola,
 
Ya son más de 10 años desde que ATTAC se pelea en todos los frentes (jurídico,  administrativo, militante) para tratar de obtener la renovación del recibo que le permitiría funcionar con normalidad.
 
Cuando se fundó Attac Marruecos en 2000, fue necesaria una campaña internacional para obtener este documento. Hoy les pedimos nuevamente que nos respalden para defender nuestro derecho de asociación.
 
Por eso  le enviamos la petición adjunta, para  que la firme como organización o como individuo. No dude en compartirlo con sus miembros, amigos y aliados.
 
Para las organizaciones, indique el acrónimo, el nombre completo y el país. Indicar internacional para redes internacionales
 
Para las personas, indique Apellido,  nombre, profesión, país.
 
Por favor envíe sus firmas a
attac.cadtm.maroc@gmail.com

______________________
 
La Asociación Attac Maroc, miembro del Comité por la Abolición de las deudas ilegitimas, organizó su sexto congreso entre el 5 y el 7 de mayo de 2016 en Casablanca.

Tras su primer congreso, y una campaña internacional de solidaridad, Attac Maroc había conseguido obtener en marzo de 2001 el certificado que le permitiría ejercer sus actividades de forma legal. 

Sin embargo, después de esa fecha, al culminar cada Congreso y solicitar la asociación la renovación del certificado, se ha enfrentado a la negativa de las autoridades de aceptar incluso el propio depósito de la solicitud.

El resultado es una situación ambigua: Attac Maroc no es ilegal pero no posee un documento que le permita acreditar su existencia, lo cual perturba de forma considerable sus actividades (solicitudes de locales públicos, de subvenciones, etc.).De trata además de una espada de Damocles que pesa sobre la asociación de forma constante. 

Esta fragilidad es aun mas importante si consideramos que tal y como ha ocurrido con otras organizaciones activistas marroquíes, con o sin el certificado, el acceso a las salas para actividades ya previstas ha sido prohibido a Attac Maroc (tales como la Universidad de primavera 2016, la sesión de inauguración de su 5to congreso…).

Quince años después de su constitución, y reconocimiento legal, consideramos que es hora de que la situación administrativa de Attac Maroc sea regularizada y que se levanten los obstáculos a su actividad.

Por ello, las personas abajo firmantes, comprometidas con el respeto del derecho de libertad de expresión y asociación, solicitamos la renovación urgente del certificado legal de Attac Maroc, para que pueda gozar de todas las prerrogativas vinculadas con el libre ejercicio del derecho de asociación.

--
ATTAC MAROC
Membro da rede CADTM
AZIKI OMAR
Secretario National
212 6 61 17 30 39

quarta-feira, outubro 11, 2017

Fórum de Outono "O Trabalho do Futuro - O Futuro do Trabalho"



O Fórum de Outono, nos próximos dias 27 e 28 de Outubro, organizado pela Associação Fórum Manifesto, é este ano inteiramente dedicado ao tema do Trabalho, questão central e estratégica para uma política de esquerda, mas frequentemente menorizada no debate político e no espaço público. A conferência de abertura, na sexta-feira, é feita por um dos mais qualificados cientistas sociais europeus das relações de trabalho e do sindicalismo, Richard Hyman. Depois, na sexta-feira e no sábado, seguem-se debates sobre as principais dimensões do Trabalho: os desafios actuais da organização dos trabalhadores; as reformas laborais necessárias; a desconstrução de conceitos, indicadores e mitos sobre o trabalho; as mudanças tecnológicas e o futuro do trabalho; a avaliação das políticas laborais da actual governação.
Com a participação de um conjunto qualificado e plural de investigadores, sindicalistas e activistas sociais, o Fórum será uma oportunidade para todos os interessados participarem numa intensa reflexão colectiva sobre a centralidade e o valor do trabalho e o seu lugar nas alternativas necessárias, de política e de sociedade. A entrada é livre, sujeita a inscrição prévia aqui - http://manifesto.com.pt/ .
Saudações cordiais.
Henrique Sousa

sexta-feira, setembro 22, 2017

Pedido de posicionamento da Assembleia Municipal para declaração do concelho de Coimbra como “Zona livre de CETA e TTIP”

Exmº Senhor Presidente da Câmara Municipal de  Coimbra,
 
Senhoras e Senhores Deputados Municipais,
 
Tal como muitos outros cidadãos, estou profundamente preocupada/o com a política comercial externa da União Europeia (UE), nomeadamente com os acordos de comércio e investimento da UE com o Canadá (CETA) e com os EUA (TTIP).
Estes acordos, em fase de votação (CETA) ou de negociação (TTIP), visam ultrapassar todos os “obstáculos” ao comércio. Como “obstáculos” são considerados não só os direitos alfandegários, mas também normas sanitárias, alimentares, ambientais, sociais e laborais em vigor nos Estado-Membros da UE, que possam limitar a obtenção de lucro pelas multinacionais.
As vastíssimas consequências do CETA na vida quotidiana dos cidadãos estão, no entanto, a ser propositadamente ocultadas, pelo que a grande maioria dos portugueses as desconhece.
Nos sectores agrícola e alimentar, abrem a porta a pressões da agro-indústria para aprovação de organismos geneticamente modificados (OGM), carne com hormonas e mais antibióticos ou frangos lavados com cloro. Estas práticas põem em causa o Princípio da Precaução europeu, segundo o qual as empresas têm de provar que os seus produtos não são prejudiciais à saúde, princípio esse inexistente nos EUA e no Canadá.
O CETA reconhece apenas 20 dos 137 produtos portugueses de denominação de origem protegida (DOP) e de indicação geográfica protegida (IGP) definidos na legislação da UE.
Na área ambiental, a exploração de gás de xisto e de areias betuminosas poderá ser, daí em diante, exponenciada e as normas de protecção sanitária serem postas em causa.
No campo laboral, questões como o salário mínimo, contratos colectivos de trabalho e outros direitos sindicais poderão também ser ameaçados, tendo em conta que os EUA e o Canadá não ratificaram ainda importantes convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT).
Conforme previsto no CETA, os contratos públicos passarão a estar abertos ao sector privado, com excepção de algumas áreas expressamente excluídas no texto do acordo (listas negativas). Serviços públicos já privatizados não poderão voltar a ser municipalizados.
O tribunal arbitral previsto no CETA (ICS), destina-se exclusivamente a permitir que empresas transnacionais processem Estados por políticas públicas legítimas decididas democraticamente sempre que considerem que as suas “legítimas expectativas de lucro” sejam prejudicadas. Investidores nacionais não terão acesso ao ICS, prejudicando as PMEs, que em Portugal constituem mais de 90% do tecido empresarial. Os custos processuais e de indemnizações decorrentes do ICS poderão vir a custar milhões de euros aos contribuintes e ainda limitar severamente a soberania democrática dos eleitores.
O poder local, cuja regulamentação favorece o interesse público, poderá ser posto em causa por interesses de lucro dos investidores estrangeiros, daí resultando maiores riscos ambientais e desigualdades sociais, tanto entre cidadãos como entre regiões.
Além disso, o CETA  prevê a criação de um fórum de cooperação regulatória constituído por elementos não eleitos que irá influenciar previamente a futura legislação dos países, ameaçando a sua soberania.
Tendo já sido aprovado no Parlamento Europeu, o CETA irá agora passar pelo processo de ratificação nos parlamentos nacionais e regionais dos Estados-Membros.
Em Portugal, o governo pretende ratificá-lo até ao final da presente sessão legislativa (Junho 2017).
Uma das iniciativas promovidas a nível europeu pela Plataforma STOP TTIP e CETA é a Campanha Europeia “Zonas Livres de CETA e TTIP” (https://www.ttip-free-zones.eu/),
que reúne já mais de 2.100 municípios que se auto-declararam simbolicamente como “Zona Livre”, dos quais 12 em Portugal https://www.nao-ao-ttip.pt/zonas-livres/ .
Neste sentido, vimos/venho, por este meio, pedir-lhe que promova a declaração do Município como “Zona Livre de CETA e TTIP”.

Proposta de votação:
 
Solicito à Assembleia Municipal do concelho de Coimbra que vote a favor do seguinte:
– moção exigindo a rejeição do acordo comercial CETA pela Assembleia da República e a cessação imediata das negociações sobre o TTIP;
– divulgação pública do conjunto de textos relativos a estes acordos comerciais;
– abertura imediata de um debate nacional sobre estes acordos envolvendo a participação plena das colectividades locais, das organizações socio-profissionais e associativas e dos cidadãos.
E ainda,
– recusa de todas as tentativas de enfraquecimento do quadro regulamentar nacional e europeu em matéria de ambiente, saúde, cultura, protecção dos trabalhadores e consumidores, defesa dos serviços públicos.
decisão de declarar simbolicamente o município de Coimbra como «Zona Livre de CETA e TTIP».

Exmº/ª Sr Presidente da Câmara, Senhoras e Senhores Deputados Municipais,
apresentamos os nossos melhores cumprimentos.

             Isabel Maria de Gouvêa Falcão

quarta-feira, setembro 20, 2017

CETA - Muro de silêncio | Deputados recusam esclarecer cidadãos

NOTA DE IMPRENSA
 20 de Setembro de 2017

CETA
Muro de silêncio
Deputados recusam esclarecer cidadãos

Os deputados que vão hoje votar o CETA, o Acordo Económico e Comercial Global entre a União Europeia e o Canadá, recusaram resposta às questões colocadas pela Plataforma Não ao Tratado Transatlântico a respeito deste acordo, sobre o qual a sociedade civil praticamente não tem qualquer informação.

Essa informação foi repetidamente solicitada desde Março passado aos 230 deputados que compõem o parlamento. De entre os 193 deputados dos partidos favoráveis ao CETA, o parco resultado foi: duas respostas recebidas por parte da bancada parlamentar do PSD e uma do CDS/PP.  Nenhum deputado do PS deu qualquer resposta, demonstrando um total desprezo pelas preocupações dos cidadãos .

É absolutamente inaceitável que um acordo comercial desta dimensão e que interfere directamente em vários sectores da vida individual das pessoas (trabalho, saúde, justiça…) seja discutido em ambiente sigiloso e à margem do debate público. Isto acontece em completa contradição com o Projecto de Resolução n.º 606/XIII/2ª, aprovado em Janeiro de 2017, que recomenda um «debate alargado com a sociedade civil, nomeadamente com as organizações não-governamentais, sobre o Acordo Económico e Comercial Global (CETA), antes da votação deste no Parlamento Português».

A ‘Plataforma Não ao Tratado Transatlântico’ não tem dúvidas de que assiste aos cidadãos o direito de serem devidamente elucidados sobre as implicações do CETA e de saberem claramente as razões do sentido de voto dos deputados, cuja missão ética e moral é a de esclarecer os cidadãos sobre esta matéria, integrados que estamos numa democracia representativa.

O CETA entrará provisoriamente em vigor a 21 de Setembro em toda a União Europeia.

Em Portugal, se for aprovado na Assembleia da República, será levado ao Presidente Marcelo Rebelo de Sousa para ratificação.

Para a ‘Plataforma Não ao Tratado Transatlântico’ o CETA, além de representar um claro retrocesso civilizacional decorrente da enorme desigualdade de regulação entre o Canadá e a União Europeia, nada mais é do que uma imposição de carácter comercial que cria condições para que as grandes multinacionais imponham aos estados a defesa dos seus interesses, sobre o interesse público, numa clara perda de soberania.


MAIS INFORMAÇÕES: João Gama, Telemóvel nº 964524818