segunda-feira, Abril 21, 2014

O Direito à alimentação e à soberania alimentar


Círculo de Leitura e Seminário
O Direito à alimentação e à Soberania Alimentar

Um novo paradigma focado no bem estar, resiliência e sustentabilidade tem de ser criado para substituir o paradigma produtivista e assim apoiar melhor a realização plena do direito a uma alimentação adequada.
A equação é complexa, mas pode ser resolvida.”
Olivier De Schutter

Este Círculo de Leitura e Seminário que o CIDAC organiza insere-se num ciclo de iniciativas que visam dar a conhecer, debater e aprofundar os conhecimentos sobre questões globais dos modelos de produção e consumo alimentar e abordando alternativas em favor da Soberania Alimentar.

Este ciclo de iniciativas é dedicado ao debate sobre o Direito à Alimentação e à Soberania Alimentar e o convidado de referência é Olivier de Schutter, relator especial da ONU para o Direito à Alimentação.

Olivier De Schutter proferirá também uma conferência aberta ao público no dia 20 de maio, às 18.30h, no Auditório 3 da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Círculo de Leitura
29 de abril das 18h às 21h
06 de maio das 18h às 21h
13 de maio das 18h às 21h

Orientado por Carolina Leão
membro da equipa de coordenação. do NOEs – Núcleo de Pesquisa Outras Economias (Mó de Vida Cooperativa – Portugal & Universidade Federal Fluminense – Brasil) Investigadora no SOCIUS/ ISEG – Universidade de Lisboa

Seminário
19 de maio das 16h às 21h
Orientado por Olivier De Schutter
Língua de trabalho do Seminário: Inglês

Inscrições
Pedimos a confirmação até ao dia 24 de abril, através do envio da ficha de inscrição (em anexo) para ed-ja@cidac.pt

Cada uma destas atividades tem um número de pessoas limitado a 20 participantes. Será dada prioridade a pessoas que se inscrevam nas duas atividades.

Inscrição no Círculo de Leitura 15€
Inscrição no Seminário 10€
Inscrição no Círculo de leitura e Seminário 20€

Pagamento por transferência bancária após confirmação da inscrição.

Local
Centro de Recursos para o Desenvolvimento do CIDAC, Rua Tomás Ribeiro, nº3 (perto da estação de metro de Picoas)

Estas atividades realizam-se no âmbito do projeto “Do Campo para o Prato, o direito à alimentação e à Soberania Alimentar em debate”.
Apoio:
Instituto Camões, Fundação Gulbenkian, Jornal Público

quinta-feira, Abril 03, 2014

Venezuela: Maduro hace un llamado por la paz en The New York Times

El presidente venezolano Nicolás Maduro lanzó hoy un “llamado a la paz” en su país en una columna en el diario The New York Times, en la que pide al “pueblo estadounidense” no sancionar a Venezuela.
En un artículo titulado “Un llamado a la paz desde Venezuela”, el mandatario acusó además a quienes llevan adelante las protestas en su contra desde hace dos meses de tener como “solo objetivo” el “derrocamiento inconstitucional del gobierno elegido democráticamente”.
“Las recientes protestas en Venezuela han llamado la atención de la comunidad internacional. Gran parte de la cobertura en los medios de comunicación internacionales ha distorsionado la realidad de mi país y los hechos de actualidad”, afirma Maduro en el prestigioso diario neoyorquino.
Según el mandatario, en Estados Unidos hay una “narración” presentada por el gobierno de ese país en la cual “los manifestantes están ampliamente descritos como ‘pacíficos’, mientras dicen que el gobierno es violento y represivo”.
“En realidad el gobierno de Estados Unidos está en el lado del 1% que quiere arrastrar a nuestro país de nuevo a una época en que el 99% era excluida de la vida política y sólo la élite, incluyendo las empresas de Estados Unidos, se beneficiaba del petróleo de Venezuela”, acusó
En ese marco, Maduro pide al pueblo estadounidense que llame al Congreso de su país a “abstenerse” de adoptar sanciones contra Venezuela, advirtiendo que esas medidas “afectarían a los sectores más pobres” de la nación sudamericana.
“Espero que el pueblo estadounidense, conociendo la verdad, exprese que Venezuela y su pueblo no merecen tal castigo, y llamen a sus líderes políticos para que abstengan de tales sanciones”, dijo.
“Venezuela necesita paz. Venezuela necesita el diálogo, y Venezuela tiene que seguir adelante. Damos la bienvenida a cualquier persona que sinceramente quiera ayudar a alcanzar estos objetivos”, añadió Maduro.
La ola de manifestaciones contra el presidente venezolano ha dejado en casi dos meses un saldo de 39 muertos y más de 550 heridos.
Según Maduro, que se refiere a “36 personas asesinadas”, los manifestantes “son directamente responsables por más de la mitad de las víctimas mortales”.
Las protestas han bajado de intensidad en las últimas semanas, pero mantienen focos de violencia principalmente en Caracas y San Cristóbal, a pesar de que el gobierno ordenó un despliegue militar en estas ciudades para acabar con las manifestaciones.
En su columna, el mandatario hizo una enérgica defensa del proceso iniciado en 1998 por el fallecido expresidente Hugo Chávez y de la democracia en su país.
“Desde 1998, el movimiento fundado por Hugo Chávez ha ganado 18 elecciones presidenciales, parlamentarias y locales a través de un proceso electoral que el expresidente estadounidense Jimmy Carter ha llamado “el mejor del mundo”, recordó.
“Los venezolanos nos sentimos orgullosos de nuestra democracia. Hemos construido un movimiento democrático y participativo desde la base que ha asegurado que tanto el poder y los recursos sean distribuidos de manera equitativa a nuestro pueblo”, dijo.
Maduro reconoció no obstante que el gobierno “ha enfrentado serios problemas económicos en los últimos 16 meses, incluyendo la inflación y la escasez de algunos productos básicos”.
“Adicionalmente, Venezuela ha sufrido con una alta tasa de crimen que estamos combatiendo directamente a través de la creación de un nuevo cuerpo de Policía nacional”, admitió también.
Sin embargo, reiteró la posición oficial sobre las manifestaciones: “La mayor parte de las protestas contra el gobierno se están llevando a cabo por los sectores más ricos de la sociedad que se oponen y tratan de revertir los logros del proceso revolucionario que han beneficiado a la inmensa mayoría del pueblo venezolano”, señaló.
+++++++++++++++++++++++++++++
JUBILEO SUR/AMERICAS (JS/A)Secretaría Regional a/c INTIPACHAMAMA
Oficina regional: Reparto San Juan,
Contiguo a Radio Maranatha, Managua, Nicaragua
Telefax: (505) 2278-0062

terça-feira, Abril 01, 2014

Conmemorando 50 Años del Golpe Militar en Brasil

Marzo/2014
La historia de América está constituida por procesos exógenos que marcan profundamente su manera de ser y de estar en este mundo. Desde Brasil es tan difícil hablar de América Latina. Al final las cosas que suceden ” allí en América Latina”…Aun más dictaduras que han pasado aquí y siguen pasando como un espectro que nos persigue sombríamente. Y aún quedan muchas preguntas en el aire: ¿Por qué existían esas dictaduras? ¿A quiénes favorecían? ¿Sirvió para instalar esta forma de sociedad? ¿Había similitudes entre ellos? ¿Los grupos económicos que estaban detrás? ¿Los modelos de desarrollo que han guiado el proyecto económico en curso? ¿Policía que heredamos? De todos modos, muchas cuestiones que necesitan respuesta y poco a poco van saliendo a la palestra, y en Brasil en particular, a finales de este año, cuando el golpe de estado cumple 50 años.
La historia de los golpes de Estado de América Latina no se restringe al siglo pasado. En la historia reciente de América Latina podemos recordar al menos dos intentos y tres golpes de estado que fueron instituidos en el siglo XXI. Hablamos del intento de golpe de estado en Venezuela en abril de 2002 y Bolivia en 2008, consolidada golpe de Estado en Haití en febrero de 2004, en Honduras, en junio de 2009, y en Paraguay en julio de 2012. Con todo este ciclo de nuevos movimientos, ¿Se comporta y actúa con la izquierda en América Latina hoy en día? ¿Cómo es la solidaridad concreta y permanente? ¿Hemos perdido la sensación de que el internacionalismo socialista? En segunda década del siglo 21, algunas organizaciones que tienen un trabajo, cualquiera que sea, de solidaridad con América Latina y el Caribe. Ellos existen y actúan, pero son pocos.
Y aquí viene una ola de nostalgia. Me estoy acordando de mi juventud, cuando soñaba con estar en las montañas de Nicaragua, la cosecha de café, el apoyo al proceso de alfabetización, el aprendizaje de esas mujeres increíbles que enseñaron tanto espíritu revolucionario. Llegó al poder en 1979, la Revolución Sandinista. Imagínese el momento: entrar en los años 80, la famosa ” década perdida”. La década del nacimiento de los yuppies de Wall Street. Ese momento, ¿no? Un pequeño país en América Central resuelve enfrentar al enemigo. Y lograr una revolución que fue destruida principalmente por la acción de los contrarrevolucionarios que no dejaron Nicaragua en paz. En millones de dólares de fondos del gobierno de los EE.UU. a través de la CIA alimentan una guerra sin fin contra las transformaciones que tuvieron el país (la reforma agraria, la alfabetización, la participación del público, etc.)
En los años 70 y 80 del siglo pasado hemos vivido en nuestro pequeño rincón del mundo situaciones absolutamente dispares. Mientras que la Revolución Sandinista nos hizo soñar, en la década del Cono Sur de 70 fue desangrado por la tortura y la muerte. Argentina, con sus 30 mil desaparecidos Dictadura se inició en 1976 y duró hasta 1983. El Chile de Pinochet, 1973-1990. Uruguay, 1973-1985. La dictadura del Paraguay 1954-1989, Alfredo Stroessner, presenta características más específicas, pero con la Operación Cóndor resolución, desde el punto de vista de la dictadura, los posibles desajustes que se encontraban en la zona. La estrategia de síntesis de la acción en el Cono Sur – Operación Cóndor – plantadas con terror el secuestro y la persecución.
Y esos 70, 80 y hasta principios de los 90 era fuerte en el sentimiento izquierda occidental y la práctica de la solidaridad internacional.
Había comités de todo el mundo en apoyo de la Revolución Sandinista. El exilado político sudamericano podría buscar asilo político en Francia, Holanda, México, mientras que en muchos países se constituyeron comités para apoyar a los refugiados. Eran charlas organizadas, exposiciones, conciertos, etc. Parecía famosa frase más real del Che: "Si usted es capaz de temblar de indignación cada vez que se comete una injusticia en el mundo, entonces somos compañeros."
Finalizando el siglo XX en América Latina, hemos vivido esos momentos una región que se estaba deshilachada hacia el norte y hacia el sur por los procesos radicalizados que nos hizo llegar el siglo XXI marcado por mucha lucha, resistencia, la violencia, la solidaridad, la tortura, las desapariciones y sed loca a vernos como región y como una sola pelea. Al mismo tiempo, las dictaduras estaban terminando e las democracias fueron domando las populaciones por el consumismo y los programas compensatorios.
En Brasil hace 50 años, un golpe muy duro golpeó al país. El primero de una serie de golpes en el Cono Sur. En 1964 no fue sólo la dictadura que comenzó en Brasil. Ahi se fue gestando una ola de golpes de Estado cívico-militares que impusieron un modelo de desarrollo basado en los que favorecen los grandes grupos económicos del Cono Sur, un proceso de la deuda pública que nos hace pagar una cuenta enorme hasta la actualidad, el término de los procesos que intentaban impulsar reformas fundamentales y, la criminalización sistemática de las luchas sociales y movimientos.
Que hemos heredado como sociedad cincuenta años después del golpe de Estado y 29 años de democratización que empezó en 1985? Redemocratizamos más la sociedad? Desmilitarizamos la policía? Hicimos auditoría de la deuda externa como se prevé en la Constitución del 88, la "Constituyente Ciudadano"? Hicimos las reformas básicas anunciadas por João Goulart en 13 de marzo 1964?
Memoria, verdad y justicia! Memoria tan importante saber quiénes somos, de dónde venimos, como nos formamos, como resistimos, como luchamos, como celebramos, cómo nos expresamos culturalmente. La redención de las injusticias cometidas, los crímenes de los torturadores, de los grupos económicos, por los gobernantes de entonces y por los organismos internacionales que apoyan a los dictadores política y financieramente. Verdad para contar la historia de manera diferente. Lamarca , Marighella , Herzog, Rubens Paiva, Zuzu Angel, y muchos y muchas más son las referencias de nuestra lucha y resistencia. Justicia en un país que sigue mandando el latifundio rebobinada por agrobusiness. Manda quien tiene. Manda quien es rico. Y esto es tan naturalizada que la policía militar puede hacer lo que quiera en la favela. ¿Puede todo, a un coche de la policía arrastrar una madre en la calle, como si transportase un paquete de carne. Un sentido de la impunidad y la legitimidad que otorga el Estado a estas criaturas que cometen un acto de este tipo.
Lo que hemos heredado de la dictadura militar instaladas en América Latina?
No tuvimos tantos muertos o desaparecidos como en Argentina, Paraguay y Chile. El proceso de revelar y reparar las violaciones de los derechos humanos también se dio de manera diferente. En Argentina, el ex dictador argentino Jorge Rafael Videla falleció en prisión en 2013 a los 87 años. Él cumplió dos condenas a cadena perpetua por crímenes de lesa humanidad cometidos durante el próximo período de la dictadura argentina (1976-1981) preso en la cárcel pública.
Tanto Argentina como Uruguay parecen mirar más de cerca el pasado, para lograr avanzar hacia la democratización de sus sociedades. Y pasos más grandes, que en nuestra sociedad, me parece a mí.
Tiembla de indignación ante toda injusticia. Ese sentimiento de solidaridad internacional tan fuerte que hemos vivido en el comienzo de la fase actual del capitalismo financiero – 80, 90 se enfoca cada vez más en situaciones precisas del día a día de la gente. Es necesario también el traspaso de las fronteras y horizontes y mirar nuestro mundo con los ojos de companheirxs parece cada vez más urgente y necesario. Aquí y allá.
La Campaña Continental contra el ALCA en el año 2002 puso en marcha el Foro Social Mundial fue uno de esos esfuerzos magistrales para ser un continente con todas nuestras diferencias.
Hay una escalada militar cada vez mayor en toda nuestra región y del mundo. Cada vez más las leyes antidemocráticas entran en juego. Toma ventaja de los grandes eventos para adoptar dichas leyes. ¿Quién vendió las armas durante la dictadura? ¿Quién vende armas hoy en día? ¿Quiénes son estos millones siendo proveedor de armas y compra de equipos para la Copa del Mundo? Sólo las bolas de cauchos U$ 15 millones. ¿Quién las vende?
Carecemos acaso ejercer la solidaridad más concreta. En el año 2014, y no sólo el año de la copa. Son 10 años del golpe de Estado y la posterior ocupación militar de Haití. ¿Qué se está haciendo, de manera concreta y sistemática, demuestra nuestra solidaridad con esas gentes de Haití con quienes tenemos una deuda histórica? Ellos fueron los primeros en ganar la libertad en tiempos del colonialismo.
De todos modos muchas preguntas que responder y buscar esos 50 años de dictadura en Brasil, ya que se trata de América Latina que debo hablar.
Las jornadas de junio en Brasil reinauguraran un paso a la gente en la calle. Es necesario seguir en un esfuerzo por mantener las calles y tener victorias. Seguir en la lucha de la defensa de los territorios, La lucha por las reformas básicas. Seguir adelante en la agenda de la democratización radical del Estado brasileño.
Dictadura nunca más!
Solidaridad y Lucha: Siempre!
Sandra Quintela – Economista Pacs / Jubileo Sur

terça-feira, Março 25, 2014

Paraguay se prepara para huelga general de trabajadores

Unos 26 mil agentes de la Policía Nacional de Paraguay se desplegarán en el país durante la huelga general de trabajadores, que coincidirá con la tradicional marcha campesina anual en Asunción (capital) este miércoles.
Los efectivos declarados en alerta de seguridad, instalarán un cerco antimotín cerca del Palacio de López, (sede de Gobierno), el Congreso y oficinas estatales que puedan ser objeto de agresiones en la huelga.
Los jefes policiales prohibirán la circulación de vehículos por las inmediaciones del Congreso y el Palacio de López, incluida la avenida Costanera, que bloquearán por 24 horas, declaró la jefa de comunicación de la Policía Nacional, Norma Vera.
Vera añadió que dispondrán de policías de control en diversas carreteras y avenidas de las ciudades más importantes del país "para impedir el paso de armas y de materiales que puedan ser utilizados con fines dañinos". Además, una comisión vigilará la concentración.
Los obreros protestarán contra la política económica y social del Gobierno, luego de que el Estado se esforzó por minimizar el impacto de la huelga.
Ante el despliegue de seguridad, los dirigentes de las centrales sindicales y de la Federación Nacional Campesina (FNC) denunciaron las campañas oficiales de presión contra los huelguistas que exigen de manera pacífica, la reforma agraria y el fin del modelo de explotación basado en el latifundio.
En conjunto con el campesinado, los trabajadores pedirán reivindicaciones como el aumento de 15 por ciento en el salario mínimo y el control de precios sobre la canasta básica.
Los sindicatos, trabajadores y campesinos también se manifestarán en contra  de la Ley Alianza Público-Privada, considerada como una privatización del sector público y la intervención de empresas extranjeras.
Saludos

Ana Sandoval
Comunicación

A GUINÉ EQUATORIAL NA CPLP: A PERSPECTIVA DOS DIREITOS HUMANOS

CONVITE

Audição pública no dia 28 de Março, às 10.30h, no Gabinete do Parlamento Europeu (Largo Jean Monet, 1-6, Lisboa).
Com intervenções de:

Ana Gomes, deputada ao Parlamento Europeu Juan Tomás Avila, enfermeiro, escritor e activista da Guiné Equatorial no exílio
Uma iniciativa conjunta de: ACEP, CIDAC, Delegação Portuguesa do Grupo dos Socialistas & Democratas no Parlamento Europeu, Oikos, Plataforma Portuguesa das ONGD e Transparência e Integridade, Associação Cívica.

domingo, Março 23, 2014

Debate “Reestruturar ou Empobrecer: Não Há Saídas Limpas”

2 de Abril, quarta-feira, 21h00
Auditório Camões, Lisboa (Rua Almirante Barroso, 25B, junto à Praça José Fontana, metro Picoas/Saldanha)
Programa:
Abertura: Hugo Mendes
Debate: João Cravinho, Ana Drago, José Castro Caldas
Encerramento: Manuel Carvalho da Silva
Enquadramento:
Em Maio completam-se três anos desde a assinatura do Memorando de Entendimento entre o governo português e a troika composta pela Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o FMI. Nestes três anos, as medidas de austeridade retiraram cerca de 20 mil milhões de euros à economia em aumentos de impostos e cortes na despesa pública. Nesses mesmos três anos o défice não se reduziu mais do que 6 mil milhões de euros, enquanto o PIB caiu em mais de 7 mil milhões de euros e a dívida pública não parou de aumentar. Criou-se menos riqueza, destruíram-se mais de 450 mil postos de trabalho, 30% de empresas estão em situação de incumprimento perante a banca, alastrou-se a miséria, a precariedade e a certeza de um futuro incerto. E, no entanto, a dívida pública portuguesa não é hoje mais sustentável do que era há três anos – pelo contrário.

O incumprimento recorrente das metas estabelecidas e a degradação da situação económica e social não são, porém, motivos suficientes para convencer o governo e a troika a mudar de rumo. Em qualquer dos cenários admitidos pelo governo para os próximos anos – o recurso a um novo programa de assistência (vulgo ‘programa cautelar’) ou o financiamento do Estado junto dos investidores privados (vulgo ‘saída limpa’) – a estratégia oficial continua a ser o pagamento da dívida a qualquer custo.

É hoje claro que a obstinação em pagar a dívida nos termos actualmente previstos – de juros, prazos e montantes – conduziria à destruição dos serviços públicos e dos direitos sociais e laborais em Portugal.
Neste debate pretende-se fazer o balanço de três anos de intervenção da troika em Portugal e perspectivar o período pós-troika em termos políticos, económicos e sociais, discutindo as alternativas à estratégia do governo e da troika.

segunda-feira, Março 17, 2014

Salários e desenvolvimento, uma afirmação

«Não há no mundo capitalista  um só caso de país com salários altos que tivesse de baixá-los por não poder desenvolver-se, nem um só caso de país que pudesse desenvolver-se continuando a manter os salários baixos.»

Arghiri Emmanuel in Politique Aujourd'hui, Janeiro 1970 (integrado no livro "Um proletariado explorador?", editado por Iniciativas Editoriais, colecção Século XX-XXI, 1971)

sexta-feira, Fevereiro 21, 2014

Campanha #COPAPRAQUEM? expõe violações de direitos e questiona real legado do megaevento

A Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa (Ancop) lança a Campanha #Copapraquem?. O objetivo é expor as violações de direitos humanos sofridas pela população em razão do megaevento e questionar o real legado que ficará para o país após os jogos.
 
O QUE VEMOS NAS CIDADES
 Há mais de três anos, os Comitês Populares da Copa, organizados em cada uma das 12 cidades-sede, começaram a questionar o autoritarismo, a ganância e o desprezo aos direitos dos brasileiros que envolvem a realização da Copa da Fifa. Desde lá, acompanham os impactos da vinda dos jogos para as capitais.
 
NOTA OFICIAL
 Trecho de nota oficial divulgada pela Ancop recentemente critica o processo: “Hoje, entrando em 2014, as pessoas se perguntam: mas, Copa Pra Quem? Os/as cidadãos/as do país do futebol não se deixam mais enganar tão facilmente. Poucos são os que acreditam que a Copa trará qualquer legado para a população. O que vemos nas 12 cidades-sede da Copa da Fifa: despejos (remoções forçadas), violação dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras, uma legislação de exceção, destruição do que era público para a construção de uma cidade privatizada, orientada aos interesses das grandes empresas e corporações, aumento da exploração sexual infanto-juvenil. Somam-se a tudo isso, ainda, as violentas ações de repressão do Estado sobre a população e, o que é pior, a falta de diálogo e sensibilidade para com os milhões de indignados que saem às ruas”.
 
OITO PAUTAS CLARAS
 Ainda no documento, a Articulação lista pelo menos oito pautas claras de reivindicação defendidas pelo movimento e nunca atendidas pelo Estado. Em resumo:
 1) O fim das remoções e despejos de moradias.
2) garantir à população em situação de rua políticas de acesso à alimentação, abrigo e higiene pessoal, como trabalho e assistência social.
3) Revogação imediata das áreas exclusivas da Fifa previstas na Lei Geral da Copa.
4) Criação de campanhas de combate à exploração sexual e ao tráfico de pessoas.
5) Não instalação dos tribunais de exceção no entorno dos estádios.
6) Revogação da lei que concede isenção fiscal à Fifa e suas parceiras comerciais e auditoria popular da dívida pública.
7) Arquivamento imediato dos PLs que tipificam o crime de terrorismo.
8) Desmilitarização da polícia e fim da repressão aos movimentos sociais.
 
 

sábado, Fevereiro 15, 2014

C.D.A.: o fim da troika, o regresso aos mercados, o programa cautelar... e outros mitos

Em Maio termina o período de vigência do Programa de Ajustamento acordado em 2011 entre o governo português e a troika (BCE, FMI e Comissão Europeia). Segundo nos dizem, a intervenção externa aconteceu porque o Estado português deixou de poder financiar-se nos mercados da dívida pública. No entanto, a troika deixa o país com uma dívida ainda maior e sem acesso garantido aos mercados.

Para servir esta dívida – isto é, para pagar juros e financiar o reembolso da dívida que vence nos próximos anos – o governo português tem dado a entender que Portugal dispõe de duas alternativas: dispensar qualquer espécie de “ajuda externa”, regressando aos mercados (saída limpa); ou recorrer “apenas” a um programa cautelar. Será que alguma destas alternativas serve os interesses de Portugal?

O insustentável peso da dívida Na análise realizada no contexto da 8ª e 9ª avaliações do Memorando de Entendimento, o FMI assumia um cenário de sustentabilidade da dívida pública assente nos seguintes pressupostos: um saldo orçamental primário (receitas menos despesas, exceto juros) próximo de 3% do PIB a partir de 2016, um crescimento real do PIB de 1,8% ao ano, uma taxa de inflação de 1,8% e uma taxa de juro dos novos títulos da dívida pública de 3,8%. Neste cenário, a dívida poderia reduzir-se para 60% do PIB em vinte anos, conforme impõe o Tratado Orçamental da UE.

Note-se que o cenário apresentado pelo FMI não corresponde a uma previsão sobre a evolução da economia portuguesa. O que o FMI faz não é mais do que identificar as condições que seriam necessárias para que a dívida pública fosse sustentável. Mas serão essas condições realistas? Vejamos.
Para que a economia portuguesa crescesse a uma taxa real próxima de 2% ao ano seria necessário que a procura interna crescesse ou que a procura externa líquida (exportações menos importações) aumentasse de forma muito acentuada. No entanto:

O crescimento da procura interna é incompatível com a austeridade orçamental inerente a um saldo orçamental primário de 3%. Além disso, importa ter presente que o elevado nível de endividamento das famílias e das empresas portuguesas, assim como os níveis historicamente elevados de desemprego e emigração, continuarão a limitar por muito tempo os níveis de consumo e de investimento.
Quanto ao crescimento da procura externa líquida, ela depende não apenas da dinâmica das exportações, mas também das importações. Só num cenário de recessão duradoura é que as importações não voltarão a aumentar – mas esse cenário contradiz a hipótese de crescimento de 2% ao ano. Para que a procura externa líquida aumente o suficiente de modo a compensar o fraco dinamismo do mercado interno e a estabilização das importações seria necessário que se verificasse um salto inaudito nas exportações nacionais (que não estivesse associado a um forte aumento das importações, como acontece no caso da refinação do petróleo, que explica mais de metade do aumento das exportações no último ano).
Ou seja, nas circunstâncias atuais, é pouco credível um cenário de crescimento anual do PIB de 2% ao longo dos próximos anos. Sem esse crescimento só é possível assegurar um saldo orçamental primário de 3% através cortes abruptos e permanentes nas despesas públicas que contam, isto é: saúde, educação e prestações sociais. A tentativa de proceder a esses cortes não só vai restringir ainda mais o crescimento económico, como vai comprometer a democracia e a justiça social.

Importa, também, ter presente que a taxa de inflação ao longo dos últimos meses tem estado próxima de zero – longe, portanto, do valor assumido no cenário do FMI (1,8%). Uma vez que a dívida se expressa em valores nominais, quanto mais lento for o ritmo de subida dos preços, mais difícil se torna pagar a dívida acumulada.

A dívida pública não é sustentável e o que vem sendo feito para a conter e reduzir, na verdade, tem vindo a torná-la ainda menos sustentável.

O governo vai aos mercados para ganhar votos Do ponto de vista financeiro, só é razoável o Estado português financiar-se autonomamente através dos mercados financeiros se existirem investidores dispostos a adquirir títulos de dívida pública em condições de preço (taxa de juro) e prazo (maturidades) razoáveis.

As condições exigidas pelos investidores internacionais dependem de um conjunto de fatores mais ou menos especulativos, onde se destaca a perceção sobre os riscos de incumprimento do Estado português enquanto devedor. A perceção sobre o risco de incumprimento depende, por sua vez, da sustentabilidade da dívida pública e da existência de mecanismos para lidar com situações de falta de liquidez dos Estados.

Até 2010 os investidores internacionais acreditaram que as instituições europeias nunca deixariam um Estado falir, pelo que não se preocupavam muito com a sustentabilidade da dívida pública (apesar de haver sinais de insustentabilidade em alguns países). A partir do início de 2010, depois de se tornarem evidentes os problemas financeiros da Grécia, perante as mensagens equívocas dos governos alemão e francês sobre um eventual incumprimento grego, e face ao forte crescimento das dívidas públicas resultante da crise financeira de 2007/2008, os investidores internacionais passaram a assumir como real a possibilidade de perderem dinheiro com títulos da dívida dos países periféricos da zona euro. O resultado foi a chamada 'crise das dívidas soberanas', no contexto da qual as taxas de juro sobre os títulos de dívida pública dos países periféricos da zona euro aumentaram de forma acentuada, impossibilitando os Estados respectivos de se financiarem através dos mercados.

Como é sabido, a forte instabilidade financeira na zona euro durou até ao verão de 2012, quando o presidente do BCE, Mario Draghi, ameaçou utilizar os recursos da instituição que dirige para evitar o aumento dos custos de financiamento dos Estados. A partir daí, as taxas de juro dos mercados de dívida soberana foram caindo, ajudados pela disponibilidade de liquidez financeira (decorrente dos avultados apoios ao sector bancário), pela ausência de alternativas mais atractivas de investimento (devido ao desempenho medíocre da economia europeia) e, mais recentemente, pela instabilidade financeira nas economias emergentes.

Os investidores internacionais, por ora, parecem acreditar que as instituições europeias farão tudo para evitar que qualquer Estado Membro entre em falência. No entanto, apesar da queda acentuada verificada no início de 2014, as taxas de juro dos títulos da dívida pública portuguesa a 10 anos mantêm-se acima dos valores observados antes da 'crise das dívidas soberanas', próximo dos 5%. Por outras palavras, apesar das circunstâncias internacionais favoráveis, o custo de financiamento do Estado português através dos mercados mantêm-se muito acima dos valores que, segundo o FMI, garantiriam a sustentabilidade da dívida pública portuguesa – mesmo se ignorarmos que as perspectivas de crescimento e de inflação são muito menos favoráveis do que pressupõe o cenário apresentado pelo FMI.

Significa isto que o governo põe de parte a possibilidade de uma ‘saída limpa’ do programa de ajustamento (isto é, sem recurso a mais empréstimos das instituições europeias)? Não.

O governo poderá optar por uma 'saída limpa' com objectivos eleitoralistas. A ‘saída à Irlandesa’ seria apresentada como o reconhecimento da 'solidez da situação económica e financeira do país' (ou, por outras palavras, do 'sucesso do programa de ajustamento') e como significando 'o fim do protectorado'. Importa, porém, ter presente que tal opção não aumentaria a margem de liberdade das decisões nacionais, pelo contrário: Portugal continuaria refém de uma dívida asfixiante, financiando-se a taxas de juro patentemente insustentáveis. O resultado mais provável deste processo seria o reconhecimento da necessidade de um segundo resgate dentro de algum tempo, logo que as reservas de tesouraria do Estado português se esgotassem.

Nas condições presentes, o Estado português só conseguirá financiamento (isto é, contrair mais dívida) para pagar juros e amortizar a dívida passada em condições menos insustentáveis através de uma intervenção ainda maior das instituições europeias. É aqui que chegamos ao 'programa cautelar'.

Programa cautelar: o novo nome do programa da troika De acordo com os documentos do Mecanismo de Estabilidade Europeu (MEE), a quem cabe financiar e gerir estes programas de financiamento, há duas formas de intervenção previstas: o Precautionary Conditioned Credit Line (PCCL, a versão 'suave' do programa cautelar) e o Enhanced Conditions Credit Line (ECCL, ou versão 'dura'). Ambos têm sido referidos como ‘programas cautelares’. Na verdade, o primeiro corresponde, de facto, a uma linha de crédito cautelar, enquanto o segundo não se distingue substancialmente de um resgate. As diferenças entre a PCCL e a ECCL são as seguintes:

O acesso ao PCCL (a versão 'suave') pressupõe que os Estados já se financiam nos mercados em condições que asseguram a sustentabilidade da dívida pública. Para além desta condição, o recurso ao PCCL pressupõe que o país apresenta uma posição sustentável das contas externas e um sistema financeiro estável. Caso os Estados cumpram tais condições, o MEE poderá, para além de conceder um empréstimo ao Estado português, participar nas emissões de dívida pública (o chamado 'mercado primário'), adquirindo até 50% da dívida emitida, para reduzir o risco de uma emissão mal sucedida. Isto significa que o Estado pode financiar-se através dos mercados, ainda que de forma assistida.
O ECCL (a versão 'dura') está previsto para países que não cumpram alguma das condições para aceder ao PCCL. Neste caso, a intervenção do MEE faz-se através de um empréstimo, ficando o Estado em causa obrigado a adotar 'medidas corretivas'. Esta solução dispensa, no imediato, o recurso ao financiamento através dos mercados por parte do Estado durante o período de duração do programa.
Em ambos os casos terá de ser assinado um Memorando de Entendimento e o Estado português ficará sujeito a uma 'supervisão reforçada' durante a vigência do programa (12 meses, prorrogáveis por mais dois períodos de 6 meses), para além de se comprometer a cumprir as orientações europeias em matéria orçamental (incluindo o Tratado Orçamental).

A forma vaga e até ambígua como estão redigidos os documentos oficiais do MEE, associada à incerteza sobre a evolução da situação económica e financeira, não permitem antecipar qual a solução que as instituições europeias e o governo português quererão adoptar, caso seja posta de lado a hipótese de uma 'saída limpa'. Tudo dependerá da evolução económica e financeira até lá, bem como da flexibilidade com que forem interpretados os critérios atrás descritos.

Se as seguintes condições se verificarem até Abril será mais provável a negociação de um PCCL (a versão ‘suave’ de um programa cautelar):
- os indicadores macroeconómicos não se degradam;
- as taxas de juro da dívida a 10 anos nos mercados secundários mantêm-se em torno ou abaixo de 5%;
- o Estado português emite dívida a 10 anos através de um leilão aberto (em vez de uma operação contratada com um sindicato bancário, como aconteceu em Fevereiro de 2014), obtendo taxas de juro em torno ou abaixo de 5%; e
- não são dados sinais de fragilidade do sistema bancário até Maio.
 

Note-se que a verificação destas condições não significa que os critérios previstos para um país ter acesso ao PCCL estão cumpridas (no caso português, continuaria a ser questionável a sustentabilidade das dívidas pública e externa), mas poderia ser o suficiente para que os dirigentes europeus concedessem esse 'prémio' ao governo português.

De facto, do ponto de vista político, para o governo português seria mais vantajoso o PCCL (a versão 'suave' do programa cautelar) do que o ECCL (a versão 'dura'): o acesso ao PCCL seria apresentado como a opção que implica 'menos interferência externa' e como um 'reconhecimento esforços dos portugueses' por parte das instituições europeias.

Do ponto de vista das condições de financiamento do Estado, o PCCL seria distinto do ECCL caso o governo optasse por solicitar ao MEE a intervenção no mercado primário de dívida, em vez de se limitar a solicitar um empréstimo. A disponibilidade do MEE para intervir no mercado primário permitiria ao Estado português financiar-se (pelo menos parcialmente) junto de investidores internacionais, o que poderia ajudar a atrair outros investidores no futuro, facilitando o financiamento por esta via. No entanto, é expectável que as condições exigidas pelos investidores internacionais para adquirir títulos da dívida portuguesa seriam menos favoráveis às que estariam associadas a um simples empréstimo do MEE ao Estado Português.

Nesse sentido, só num cenário de queda muito significativa dos juros a opção pelo PCCL (a versão 'suave') poderia revelar-se mais vantajosa do ponto de vista financeiro para o país do que o acesso ao ECCL (a versão 'dura'). Haverá quem argumente que o PCCL seria preferível na medida em que implicaria menor interferência externa nas decisões nacionais. No entanto, o acesso a qualquer um dos tipos de programa pressupõe sempre a negociação de um novo Memorando de Entendimento, acarretando condicionalidades sobre as políticas nacionais. Num caso ou noutro, tratar-se-á sempre de impor reduções substanciais e permanentes de despesa – ou seja, a delapidação da educação, da saúde e da protecção social públicas.

Em resumo, por razões eleitoralistas, o governo preferirá uma 'saída limpa' a um programa cautelar e, caso opte pelo segundo, preferirá uma 'versão suave' a uma 'versão dura' do programa. Mas as alternativas que são preferíveis para o governo são também as mais desajustadas do ponto de vista financeiro: os juros mais elevados acabariam por traduzir-se mais tarde em austeridade reforçada. As escolhas para o governo parecem estar reduzidas a isto: austeridade auto-imposta ou austeridade assistida.

As alternativas à destruição do Estado Social, dos direitos laborais e da democracia portuguesa A inversão do caminho da devastação social e económica não passa nem por uma 'saída limpa' nem por um programa cautelar. Portugal precisa de uma reestruturação da dívida pública portuguesa que seja consentânea com uma política de relançamento do emprego, de valorização do trabalho e de restabelecimento dos direitos que asseguram uma sociedade decente. Tal restruturação implica: um significativo corte sobre o capital em dívida, da ordem dos 50% a 60% (isentando os pequenos aforradores e instituições públicas); uma extensão das maturidades (no mínimo 40 anos) e taxas de juro indexadas ao ritmo de crescimento económico.

Não podemos aceitar a perpetuação de Memorandos de Entendimento que empobrecem a economia, a sociedade e a democracia – e que não resolvem os desequilíbrios macroeconómicos, nem os problemas estruturais que estão na base da crise da zona euro. A solução para a disfuncionalidade da União Económica e Monetária europeia não passará pela destruição dos princípios democráticos e dos direitos sociais e laborais que levaram décadas a construir.

sexta-feira, Fevereiro 14, 2014

Honduras: Hoy 20 días de lucha en San Francisco de Opalaca

COPINH

Boletín Informativo

Hoy se cumplen 20 días de lucha en San Francisco de Opalaca en defensa de la Autonomía Lenca, en defensa del Convenio 169 sobre Pueblos Indígenas, por la democratización y transparencia, esta acción que se desarrolla en Monte Verde como epicentro, ha sido fortalecida con la Asamblea que se llevo a cabo ayer miércoles 12 de febrero en horas de la noche, en las inmediaciones de la Alcaldía Municipal, donde el mandato indígena fue continuar con estas acciones exigiendo respuesta favorable a las demandas de gran parte de la población de este municipio, fundado en 1994 por la lucha del COPINH que trajo enormes beneficios a estas comunidades. La Asamblea, exigió nuevamente la presencia de los entes gubernamentales competentes y responsables de dar respuestas a sus exigencias.
 

La decisión es de continuar por lo siguiente: el reconocimiento a la Alcaldía Legitima, en contra de la instalación de una Corporación Municipal encabeza por Socorro Sánchez, exigiendo una Auditoria inmediata a la administración saliente, se investigue y actúe ante una serie de irregularidades denunciadas, como también ante las amenazas contra quienes emprenden esta lucha. Dejaron firme, su decisión de continuar defendiendo los Títulos Comunitarios en Dominio Pleno, sus derechos a este territorio y a ejercer soberanía y autonomía, de rechazar y condenar la militarización y amenazas de desalojo, responsabilizando al Gobierno de Juan Orlando Hernández por cualquier situación que acontezca.
 

El día de ayer, durante su visita a Monte Verde, la Vice Ministra del Interior en sus declaraciones a la población en resistencia, dejo manifiesto su falta de conocimiento y desprecio hacia el Convenio 169, y el papel abusivo de algunos policías que creen que son autoridades civiles y que creen que deben de decidir por la población indígena profiriendo, además, amenazas e intimidación.
 

Las comunidades, se autoconvocaron para el "Gran Encuentro por la Autonomía, la Cultura, la Democratización y por los Derechos del Pueblo Lenca de Opalaca" este 14 y 15 de febrero, en Monte Verde y el día de mañana viernes se ha convocado a otra Asamblea para tomar acuerdos y avanzar en el proceso de defensa de derechos de los Pueblos Indígenas.

Con lo anterior se reitera la invitación a luchadores y luchadoras, a movimientos indígenas, sociales, populares, políticos, organismos de derechos humanos y a medios de comunicación para hacer presencia en este histórico municipio, asentado en la rica y maravillosa cordillera de Puca Opalca.

COPINH.




sexta-feira, Fevereiro 07, 2014

Para quem ainda não tenha percebido o que está em causa na luta dos estivadores

O negócio do Governo e da Mota-Engil é evidentemente um mau negócio e está longe de prejudicar apenas os estivadores, ainda que estes sejam os principais lesados na matéria. O negócio do Governo e da Mota-Engil é também mau para quem exporta, para quem importa, para quem consome e para quem, no negócio da estiva – mesmo no dócil papel de intermediário – não troque gestão danosa por um qualquer quinhão em negócios sicilianos. É um mau negócio para todos e é sobretudo um mau negócio para a economia do país, entidade que os spin doctors do establishment repetem ad nauseam para virar a opinião pública contra a luta os estivadores.
Depois de despedirem perto de 50 estivadores, os patrões e o governo já deixaram claro que mais não querem do que a velha receita de trocar trabalhadores especializados por precários. Se o modelo é muito questionável em quase todos os sectores do trabalho, é peregrina a ideia de a aplicar a profissões cujas particularidades do serviço leva anos de treino para que um profissional esteja capaz de realizar o seu trabalho. Será que algum administrador da Mota-Engil, o secretário de Estado dos Transportes Sérgio Monteiro ou o pirata do Bobone se meteriam debaixo de um contentor movimentado por quem não tem experiência? E será que os exportadores querem meter as suas cargas em contentores que andam aos trambolhões quando importam ou exportam os seus produtos? E os consumidores, o que acharão sobre o assunto na hora de comprar quase tudo?
Dos problemas de eficácia às questões de segurança, contratar trabalhadores precários, sem a devida formação, para os meter a fazer o trabalho que deve ser feito por trabalhadores especializados, entretanto despedidos de forma fraudulenta, é responsável por quebras substancialmente mais acentuadas do que aquela que os patrões pretendem imputar à luta dos estivadores. Para o concluir não é preciso nenhum curso em fluxos mercantis, bacharelato em gestão portuária, mestrado em empreendedorismo técnico ou doutoramento em mercado livre. Bastará olhar, por exemplo, para a produtividade de um trabalhador especializado e para outro que nunca manobrou uma grua. Quantos barcos despacham um e outro? Em quanto tempo? Com que custos, materiais e humanos, associados? Não será melhor começarem a fazer as contas antes de sacudir a areia da sua irresponsabilidade?
Mas há mais a equacionar. Acrescentem a isso o mau uso do material e o custo associado, os estragos nas cargas e nos contentores ou a manutenção das gruas de elevada complexidade tecnológica. Acrescentem ainda, ora pois, o custo da luta dos trabalhadores que em Portugal – sobretudo político que em euros é uma ninharia ao pé dos milhões que andam a esbanjar com a sua estratégia – e ainda o dos portos da Europa que como já se viu tudo farão para derrotar tamanho disparate. Ainda acham que valerá a pena?
Se governo e patrões estivessem a ser sérios, as soluções para todos os problemas seriam fáceis e as respostas para todas as perguntas não suscitariam qualquer polémica. Se ao invés da energia e dos recursos que colocam numa guerra sem quartel contra aqueles que são o chão dos portos, os braços dos navios, as pernas da economia e o pulmão da recuperação económica – tudo metáforas que nos habituamos a ouvir na hora de conspirarem contra a sua liberdade sindical – melhor fariam se de imediato passassem à reintegração dos 50 despedidos e, se assim fosse necessário, à contratação de mais trabalhadores, mas como manda o bom senso, a gestão e a humanidade, com direitos laborais e a devida formação. Isso sim seria coerente com o interesse nacional, a sua estratégia antropofágica, não.
Para se perceber ainda melhor a loucura em curso nos portos, imaginemos então o que governo andará a preparar para o Futuro. Para quando a troca de médicos por alfarrabistas e de advogados por maquinistas? Quanto tempo mais teremos que esperar pela fantasiosa substituição de engenheiros por bombeiros, de açougueiros por logistas, de agricultores por polícias, cozinheiros por modistas? E carpinteiros por médicos, pescadores por dentistas ou professores por pelintras, também não? Não terá fim o delírio? Quanta flexibilidade teremos ainda que gramar até que chegue a hora de meter o povo no lugar dos banqueiros e os trabalhadores no hemiciclo?
http://obeissancemorte.wordpress.com/2014/02/06/flexiseguranca-uma-proposta-a-proposito-do-despedimento-de-estivadores-profissionais-e-a-contratacao-fraudulenta-de-precarios/
 

--
Renato Teixeira

sexta-feira, Janeiro 31, 2014

Dia Nacional de luta

1 DE FEVEREIRO
DIA NACIONAL DE LUTA



VAMOS LUTAR

CONTRA A EXPLORAÇÃO E O EMPOBRECIMENTO

  • Pelo aumento das pensões, contra a Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES)
  • Pela defesa e melhoria das Funções Sociais do Estado (Saúde, Educação e Segurança Social)
  • Por mais e melhores Serviços Públicos, contra as privatizações e a extinção de serviços
  • Por uma política fiscal que desagrave os impostos e que combata a fraude e evasão fiscal
  • Pelo cumprimento da Constituição da República
  • Pela demissão do governo e por uma política de esquerda e soberana

Não fique em casa, o que está a acontecer a Portugal atinge duramente os aposentados e pensionistas!

A indiferença nada resolve, só agrava cada vez mais a vida das famílias!

Pel'A Comissão de Aposentados e Pensionistas do STFPSSRA


Simão Sanches

quarta-feira, Janeiro 29, 2014

Protesto antiausteridade no Parlamento Europeu, Jan. 2014


Tirem as patas de cima de: CHIPRE, PORTUGAL, GRÉCIA, ESPANHA, IRLANDA.

segunda-feira, Janeiro 27, 2014

IAC - Renegociar a dívida: quando e como?

Debate com José Castro Caldas(IAC) e Ricardo Cabral (Un. da Madeira)

29 de janeiro de 2014, 17.30 horas, Centro de Informação Urbana de Lisboa (CIUL), Picoas Plaza- Rua Viriato, 13, Núcleo 6-E, 1º, Lisboa

No momento em que é entregue na Assembleia da República a petição "Pobreza não paga a dívida: renegociação já", subscrita por mais de seis mil cidadãos e cidadãs, a Iniciativa para a Auditoria Cidadã (IAC) apresenta e leva à discussão as razões que justificam a abertura urgente de um processo de renegociação da dívida.

Apelamos à divulgação deste debate.


sexta-feira, Janeiro 10, 2014

Do desenvolvimento alternativo às alternativas ao desenvolvimento


Conferência
Do desenvolvimento alternativo às alternativas ao desenvolvimento

"O desenvolvimento foi e continua a ser um termo que designa um futuro sem futuro para a grande maioria dos povos do mundo. Da ideia de desenvolvimento alternativo devemos passar à ideia de alternativas ao desenvolvimento. Não sabemos se tais alternativas serão socialistas. Apenas sabemos que serão póscapitalistas."
Boaventura de Sousa Santos


Orador: Boaventura de Sousa Santos, Director do Centro de Estudos Sociais da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e Coordenador Científico do Observatório Permanente da Justiça Portuguesa

Conferência 16 de Janeiro das 18h30 às 20h30

Local: Fundação Calouste Gulbenkian, Auditório 3

Entrada Livre

A conferência será transmitida em directo através do site do CIDAC www.cidac.pt

Para mais informações contacte-nos através do email ed-ja@cidac.pt

Estas actividades realizam-se no âmbito do projecto "Do Campo para o Prato: o direito à alimentação e à Soberania Alimentar em debate".

Organização: CIDAC – Centro de Intervenção para o Desenvolvimento Amílcar Cabral